Senadores da CAE aliados de Temer aprovaram texto da Reforma Trabalhista

Data de publicao: 6 Jun 2017

Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou na terça-feira (6), por 14 votos a 11, o relatório do Projeto de Lei da Câmara (PLC 38/2017) que trata da Reforma Trabalhista e que impõe dezenas de alterações na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Contrários à proposta os senadores Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lídice da Mata (PSB-BA) apresentaram votos em separado.

O parecer do relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), com a ressalva de que fez sugestões de veto de conteúdo ao presidente Michel Temer (PMDB). Segundo ele, se alterasse o texto, aprovado na Câmara em 26 de abril, os deputados da base aliada do governo não aceitariam e manteriam o texto original.

Sem muitos argumentos plausíveis para defender a matéria, apenas um senador da base aliada pediu a palavra para defender o governo durante a sessão, presidida pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Sendo que antes da votação a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) criticou o fato de Ferraço ter escolhido não operar alterações de conteúdo na proposta, mesmo tendo declarado objeções ao texto.

“É uma pena que o senador tenha escolhido ser um carimbador da maior agenda da retirada de direitos da história de luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. […]  O senador Ferraço tapou os ouvidos em relação aos anseios da sociedade civil.”, acrescentou Fátima, para quem Ferraço “ouviu só os empresários” ao relatar a matéria.

“O projeto é muito perverso!”, emendou Paim, sugerindo a suspensão da votação da reforma e, dirigindo-se a Ferraço, endossando a fala de Fátima Bezerra. “Vossa excelência está engolindo isso aqui. E isso é um elogio, porque conheço vossa excelência.”

Embora divergências tenham provocado certa tensão durante a sessão, os conseguiram manter as divergências no nível da ideologia ou das circunstâncias. O líder da bancada do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) fez questão de ordem e por critérios de proporcionalidade, sugeriu incluir mais um membro do seu Partido na CAE.

Segundo ele, trata-se da discussão de uma matéria muito importante e, nesse sentido, caberia à inclusão de mais um congressista no colegiado. “Os custos de produção no Brasil são altos, mas o custo de trabalho não é o pior!”, reclamou Renan.
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top