Ato público reforça luta contra as reformas da Previdência e Trabalhista

Data de publicação: 23 Fev 2017

Organizado na quarta-feira (22/2) pelo Fórum Interinstitucional em Defesa do Direito do Trabalho e da Previdência Social (FIDS) e conduzido pelo presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), Ângelo Fabiano Farias da Costa, o ato público contra as reformas da previdência e trabalhista lotou o auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados.

No evento, a presidente da Nova Central do Distrito Federal, Vera Lêda marcou posição firme contra retrocessos das propostas que tranitam no Congresso Nacional. Ela classificou como "roubo" o rompimento de um contrato social que tinha início, meio e fim com “enorme” contribuição da classe trabalhadora e que, a partir de uma eventual aprovação da PEC 287/2016, terão seu tempo de contribuição ampliado.

Fez questão de alertar sobre a "dramática" injustiça inserida na equiparação do tempo de aposentadoria entre homens e mulheres por não reconhecer a desigualdade de gênero, existente no mercado de trabalho brasileiro. “Sem medo de errar, posso afirmar que esta PEC elimina o direito das mulheres se aposentarem com cinco anos a menos que os homens, além de desconsiderar a dupla jornada de trabalho que enfrentamos (ado emprego e dos afazeres de casa)”, explicou.

Parlamentares, economistas, especialistas em previdência auditores fiscais da Receita Federal, dos estados e municípios; especialistas em pesquisa e estatística; procuradores e lideranças sindicais de todo o país, colaboraram com debates que desconstroem as farsas do déficit da previdência e da "modernização" das leis trabalhistas à partir das propostas de "reformas" encaminhadas ao Congresso Nacional.

O coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social no Senado Federal, Paulo Paim (PT-RS), ressaltou que somente governo ilegítimo com menos de 1% de avaliação ótima, teria a ousadia de impor uma agenda tão cruel à sociedade brasileira.

"Nós não estamos divididos. Os desmontes em curso visam revogar a era Vargas, a era Lula; e todos os demais governos de perfil progressista no nosso país. Ninguém quer ver seus diretos inviabilizamos e a extinção da possibilidade de se aposentar. Já temos 26 assinaturas para a abertura de uma CPI da Previdência no Senado Federal e precisamos de apenas 27. Quem não deve não teme. Quem não assinar esta CPI, estará com seu nome sob suspeita quanto às reais intenções em relação à Previdência Social brasileira", finalizou o parlamentar.
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top