​Anamatra lança agenda política com ataque a projeto da terceirização

Data de publicação: 4 Maio 2015


A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) lançou quarta-feira (29/5), na Câmara dos Deputados, a sétima edição de sua agenda político-institucional. O documento, desta vez, tem um componente especial para o debate: a posição contrária da entidade ao Projeto de Lei 4.330, da terceirização, aprovado pelos deputados no último dia 22.

A entidade combate "qualquer proposta que privilegie a terceirização como forma de precarização dos direitos trabalhistas”. E enfatiza que “a terceirização não deve ser utilizada como um mecanismo de flexibilização e deterioração das relações de trabalho”.

A possibilidade de acirramento de um debate com argumentos jurídicos firmes, a partir da agenda, foi considerada o que muitos parlamentares chamaram de uma “forma saudável” de ajudar a enriquecer a mobilização pela mudança no texto. Também é esperado que se contraponha a outras agendas legislativas, como a da Confederação Nacional da Indústria (CNI), lançada em março com destaque para a terceirização, porém, em defesa do projeto de lei relatado pelo deputado Arthur Maia (SD-BA).

A associação já havia divulgado nota colocando-se contrária ao PL, quando o seu presidente, Paulo Schmidt, afirmou que o projeto “vai acabar produzindo uma reforma trabalhista precarizante e comprometer o futuro do Brasil”. “A aprovação desse projeto significa uma reforma trabalhista jamais pensada pelo mais radical dos liberais”, ressaltou Schmidt.

O presidente da entidade chamou a atenção para o fato de que, caso não sejam estabelecidas regras claras para proibir a terceirização dos trabalhadores responsáveis pela execução de atividades-fim das empresas, o projeto de lei vai criar um cenário em que o Brasil poderá ter diversas empresas sem empregados. “Ao admitir a subcontratação, a proposta também poderá acabar permitindo a “quarteirização e a quinteirização”, afirmou.

“Esse tipo de iniciativa é uma mostra do ativismo das entidades, que precisa ser perene, e reflete o peso que a sociedade civil organizada passou a ter nos últimos anos, para expor as ideias dos cidadãos. O Congresso precisa cada vez mais de agendas do tipo”, disse o cientista político Alexandre Ramalho, assessor legislativo do Senado, destacando que os juízes trabalhistas são testemunhas de que a prestação de serviços terceirizados no país é fonte de rebaixamento salarial e de maior incidência de acidentes de trabalho.

O lançamento da agenda está previsto para ocorrer no Salão Nobre da Câmara, com a presença, além dos parlamentares, de ministros do Judiciário, conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), políticos e autoridades.
Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br/


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top