Especialistas divergem sobre necessidade de reforma trabalhista

Data de publicao: 10 Set 2013

Liberalização do mercado de trabalho divide opiniões entre especialistas. Receituário do Fórum Econômico Mundial para “melhorar a competitividade do Brasil”, não encontra consenso. Ações defendidas pelo Relatório de Competitividade Global de 2013-2014, que apontam para a necessidade do país flexibilizar salários e demissões, conquista adversários e apoiadores.

O economista sênior do Fórum Econômico Mundial, Benat Bilbao, em entrevista à Agência Brasil, defendeu que o Brasil reduza os encargos trabalhistas, facilite as demissões e torne os salários mais compatíveis com a produtividade do empregado. De acordo com Bilbao, à medida que os juros baixos e o alto preço de bens primários deixaram de impulsionar a economia doméstica, a reforma trabalhista se tornou um dos principais desafios que o Brasil precisa enfrentar.

Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), discorda da avaliação. Ele afirma que o relatório demonstra desconhecimento em relação à realidade brasileira e que o diagnóstico do Fórum Econômico Mundial está errado. O diretor do Dieese alega que “O mercado de trabalho brasileiro é flexível, com rotatividade média de 40% [40% dos trabalhadores trocam de emprego em um ano] e grande informalidade. Uma forma de melhorar a produtividade seria reduzir a informalidade e a rotatividade”, destacou.

Ganz Lúcio cita o país com a maior e mais diversificada economia entre europeus como exemplo de que a competitividade não depende da flexibilização das relações de trabalho. O economista do Dieese informa que, na Alemanha, existem dificuldades para demitir um empregado e os salários são cinco vezes maiores que no Brasil. “A Alemanha é um país com mercado interno forte, renda alta e que investe em inovação e tecnologia. Daí vem a produtividade deles, não da precarização do mercado de trabalho”, alegou.

O diretor do Dieese acredita que investir em educação, em tecnologia e melhorar a qualidade das instituições devem ser as frentes que o Brasil precisa atuar para aumentar a competitividade da economia. Ganz Lúcio informou que essas recomendações também estão incluídas no relatório do Fórum Econômico Mundial como sugestões para o desenvolvimento econômico brasileiro.

Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV), especializado em mercado de trabalho, tem opinião diferente. Rodrigo acredita que, mesmo o Brasil que na atualidade vive uma condição de pleno emprego, uma reforma trabalhista seria necessária para dinamizar a economia do país. “Tanto o custo de admissão, como de treinamento e de demissão do empregado, é alto no Brasil. Isso limita a competitividade das empresas”, disse.

No entanto, o pesquisador da FGV alega que melhorar as instituições, investir em infraestrutura e remodelar o sistema tributário seriam medidas mais urgentes do que flexibilizar o sistema de trabalho. “Como a economia está em pleno emprego, qualquer reforma no mercado de trabalho agora enfrentaria grande resistência e o país deixaria de avançar em outros pontos necessários para aumentar a competitividade”, salientou.

O Fórum Econômico Mundial, fundado por executivos de empresas e acadêmicos, é uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo debater os principais problemas do mundo e melhorar o ambiente de negócios. O Fórum organiza, todos os anos um encontro em Davos, nos Alpes Suíços, com  empresários, líderes mundiais, jornalistas e intelectuais. 


Fonte: SECOM/CSPB com informações da Agência Brasil 



A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top